segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

domingo, 23 de Março de 2014

domingo, 2 de Março de 2014

As minhas provas na Essência do Vinho 2014

Mais um ano mais uma Essência do Vinho!
Este ano ao contrario do que tem sido habito, fui 3 dias para o palácio da bolsa provar os melhores vinhos de Portugal.
Deixo aqui a minha preferência:

Quinta do Regueiro 2013 - foi o único vinho que provei nos 3 dias diferentes e pode parecer exagero, mas foi um vinho que melhorou de prova para prova, vou guarda-lo na minha shortlist.

Marquês de Almeida branco 2013 - Um vinho feito na beira interior, utilizando a casta síria como base, um vinho que surpreende em todos os aspectos, inclusive no preço.

Aventura Branco 2013 by Susana Esteban - Um branco surpreendente

Encontro 1 Branco arinto 2010 - Um grande vinho

Buçaco Branco 2010 - Um branco histórico que lembra mais uma vez a potencialidade da região

Navazos palomino fino 2010 - Um vinho diferente de tudo o resto, a fazer lembrar Jabugo

Frei joão Branco 1988 - Velhos são os trapos, um vinho em grande forma

Quinta de sanjoanne branco 1999 - Um verde branco de 99? sim e delicioso!

Quinta do Ameal Loureiro 2004 - Um branco com 10 anos do coração do Minho.

Condessa de Santar - o expoente máximo do Dão

Conde De Santar Tinto - Um grande vinho do Dão

Monte Meão tinta roriz - Um senhor vinho

Solar dos lobos grande escolha - Foi por causa deste vinho que descobri o Solar, um grande vinho em qualquer parte do mundo.

Solar dos Lobos Syrah - A prova viva de que é possível fazer um bom vinho com uma excelente imagem.

Quinta da Touriga Chã - Talvez o melhor vinho em prova

C.V.by Cristiano Van Zeller - Qualidade acima de tudo

Quinta da Basilia super premium 2009 - O nervo e a força do Douro

Quinta do Pessegueiro 2011 - A elegancia do Douro "made by" João Nicolau de Almeida

Quinta do Encontro Cuvee -  Um espumante sem medo dos congéneres franceses

Condessa de Santar espumante - A versatilidade do Dão

Agri Roncão colheita 1885 - um grande colheita

Provavelmente existiam outros grandes vinhos em prova, estes foram os que eu mais apreciei, devo confessar que os brancos com alguma idade não foram uma surpresa mas sim uma confirmação, é pena que o mundo dos vinhos também esteja sempre é procura do prazer imediato, e as vezes é preciso saber esperar um pouco para que depois o prazer seja redobrado.

quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

segunda-feira, 3 de Fevereiro de 2014

sábado, 1 de Fevereiro de 2014

Obrigado!!




"Esporão utilizou como recurso de marketing e estratégia visual reproduzir obras de artistas nos rótulos dos vinhos da linha Reserva e Private Selection. Em 2001 o artista foi Pedro Proença que homenageou os mouros que ocuparam a região alentejana. O rótulo tinha a figura de um árabe de barba com uma taça na mão, muito parecido com o então desconhecido líder terrorista Bin Laden. Porém, em Setembro daquele ano, aconteceu o atentado nas Torres Gêmeas, em Nova Iorque, que teve como terrorista Bin Laden.. Nessa época o Esporão Reserva 1999 estava a chegar à Nova Iorque. Resumindo, todas as garrafas foram recolhidas e trocadas de rótulo."

Palavras Sábias!!


domingo, 29 de Dezembro de 2013

Los Ibericos

A modernidade tem destas coisas. Eu explico:

Andava eu a tirar o pó ao meu facebook, quando vi uma recomendação de um novo restaurante que estava a abrir em Leça da Palmeira. O nome era sugestivo, Los Ibericos, diziam que eram um restaurante de tapas e gastronomia Ibérica.  E lá fui eu!
Mesa marcada com algumas horas de antecedência e lá parti eu para Leça da Palmeira, pelo caminho ia-me questionando o porquê de eu não me lembrar da ultima vez que fiz uma refeição em Leça, e logo eu que gostava tanto de alguns restaurantes.
Carro estacionado, casaco vestido e lá entrei eu no espaço Los Ibéricos.
O restaurante funciona em duas partes, a primeira parte com um balcão e poucas mesas, um sitio onde se pode picar, beber um copo ou até mesmo esperar pelos amigos mais atrasados para o jantar. Este espaço é para fumadores.
A segunda parte do restaurante funciona no andar de cima, uma sala ampla, revestida a madeira e ladeada por algumas janelas com vista para o largo do castelo.
Na minha opinião a disposição das mesas está um bocadinho atabalhoada, ou seja existem mesas a mais, uma pessoa está a comer e a sentir a respiração do vizinho do lado que janta a menos de 30cms de nós.
Para tapear pedimos uns calamares (5,10€), que estavam com uma polme bem feita mas na boca mostraram-se um bocadinho rijos, depois vieram as gambas al ajillo que estavam fabulosas, achei apenas exagerado o preço, 9,90€ por 8 gambas.
Seguiram-se uns mexilhões de vinagreta (3,90€), que estavam muito bem feitos e uma açorda de cogumelos (7,40€) que só não têm nota máxima porque o Chef se esqueceu do sal.
Para terminar foi servido um bife do lombo que estava no ponto, acompanhado com uns legumes salteados e umas batatas fritas á inglesa.
Para beber começamos com uma cerveja Mahou (2,80€) e depois passamos para um Passarela Rosé “brazileiro” (9.50€).

A refeição foi boa, tudo aquilo que provei estava bem confeccionado, o serviço um bocadinho imaturo mas simpático e esforçado. Os preços das bebidas eram exagerados, dou como exemplo um espumante charles pelitier bruto que custa 6,50€ na loja e estava na carta a 18€, são 3 vezes mais o preço de custo ou um Vinha do Meio Queijo, um vinho que ronda os 4€ e estava na carta a 12€. Na minha opinião um brutal exagero.

P.S. Enquanto jantava lembrei-me porque deixei de frequentar alguns restaurantes de Leça da Palmeira, putos a berrar, os pais simplesmente a marimbarem-se para os putos.
E eu gosto de jantar sossegado! 

quarta-feira, 18 de Dezembro de 2013

quinta-feira, 5 de Dezembro de 2013

Para quando um concurso para a melhor paella?


Tintos para peixe

Ontem no Restaurante Oxalá a sugestão passou por um robalo na brasa com um arroz de coentros e uma açorda de ovas.
Para beber foi-nos sugerido um vinho tinto. As primeiras reacções á sugestão foram de espanto, " vinho tinto com peixe?, não devia ser branco?", mas quem sugeriu manteve-se firme e voltou a sugerir um tinto jovem, frutado para acompanhar com o peixe.
Depois de algumas piadas pelo meio lá decidimos seguir viagem com o nosso tinto!

O tinto foi decantado e servido a uma excelente temperatura, era jovem, educado na boca e nunca competiu com a delicadeza do robalo. As vezes sentimos medo de experimentar, temos receio que algum enofilo mais snob nos olhe de lado e nos aponte o dedo por estarmos a fugir ao estereotipo do branco com peixe e tinto com carne.
Este tinto elevou a refeição a um patamar superior.

É de louvar também o arroz de coentros, um acompanhamento perfeito para o peixe e para o tinto em causa.
Terminamos com um Quinta da Garrida 2001 touriga nacional para acompanhar uma tábua de queijos e um misto de doces e frutas laminadas.

Outra coisa, o tinto em causa era o Herdade do Arrepiado Velho.

Serviço  profissional.

Uma delicia


Uvas salteadas com salsicha fresca!
Uma delicia!

segunda-feira, 18 de Novembro de 2013

DIzTINTO 2010

Quando ouvi o plop da rolha  a sair da garrafa e comecei a sentir todos os aromas que saíam da garrafa do Diztinto 2010, fiquei surpreso! Em breves momentos a sala ficou inundada de aromas a bosque e a campo.

No copo o Diztinto apresentou uma linda cor rubi, enquanto na boca o vinho sugeria-nos sabores a amoras ou framboesas. 
A minha garrafa fez uma união de facto com um frango no churrasco, e que bem que eles se deram.
Um grande vinho produzido pela Fonte de Avis Sociedade Agrícola, Lda.



quinta-feira, 7 de Novembro de 2013

Quintas de Melgaço Vindima Tardia

Ando sempre a tentar provar vinhos novos, vinhos diferentes, vinhos audazes, vinhos que corajosamente tentam fugir á monotonia e avançam com um novo estilo de modernidade e originalidade.


O vinho de hoje é um vinho que acima de tudo prima pela originalidade.

O Quintas de Melgaço Vindima Tardia, é um vinho feito com uvas vindimadas em Dezembro, uvas que são atacadas por um fungo (Botrytis cinerea) que lhe dá uma podridão nobre.

No copo o vinho apresenta a cor de um raio de sol pela manhã, na boca encontramos sugestões a mel, frutos secos e algum ananás maduro. Uma acidez equilibrada e atraente.
Tem um final de boca longo e complexo.
Ideal para partilhar com alguém de quem se goste muito.

quarta-feira, 23 de Outubro de 2013

Marta Casanova Friends Colection

Sempre gostei da enologia no feminino!

Ao longo dos meus tempos de enófilo sempre procurei vinhos feitos por mulheres. Mulheres que abdicaram de uma vida laboral confortável, para serem felizes no comando de uma adega, mulheres sem medo de partir uma unha ou sujarem as mãos. Mulheres que ousaram fazer bem e melhor num mundo de Homens.
Conheci o trabalho da Marta Casanova quando provei um Brunheda vinhas velhas 2000, era um vinho impressionante, aromático, cheio de cor, com sugestões de compota e ginja! Um grande vinho.
A partir desse dia nunca mais perdi de vista o trabalho dela.

Desta vez Marta Casanova surpreendeu-me, e muito! Lançou um vinho do Douro que é uma homenagem aos amigos, aos amigos que a ajudaram a fazer a vindima e a vinificar o vinho e aos amigos de 4 patas que a acompanham ao longo do dia-a-dia no Douro.

Ainda não tive a oportunidade de provar o vinho embora já tenha a garrafa em cima da minha secretaria, mas tenho a certeza que este vinho será The next big thing.
Para terminar acho que é importante lembrar que uma percentagem da venda de este vinho reverte a favor de uma instituição de apoio aos animais abandonados.